Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Pesquisar

As mulheres são o foco no Dia Mundial do Diabetes

14/11/2017
diabetes

As mulheres são o foco no Dia Mundial do Diabetes

A data tornou-se oficial pela ONU (Organização das Nações Unidas) a partir de 2007, com a aprovação da Resolução das Nações Unidas 61/225.

Em 2017 as mulheres são o foco para campanha, com o tema “Mulheres e Diabetes: nosso direito a um futuro saudável”. Um dos motivos da temática se dá pela necessidade da conscientização da prevenção e controle da diabetes na população feminina, especialmente em casos onde a doença é adquirida durante a gestação, conforme explica a médica endocrinologista Luciana Roesch Schreiner, médica do Hospital São Lucas da PUCRS e presidente da regional Rio Grande do Sul da Sociedade Brasileira de Diabetes.

Segundo a especialista, 35% das mulheres que desenvolvem doença durante a gravidez podem se tornar diabéticas após cinco anos. Os riscos de diabete gestacional podem ser: má formação fetal; bebê com sobrepeso e propenso a diabetes tipo 1, além de parto prematuro, aborto e em casos extremos, óbito.

Desde 1991 a Organização Mundial da Saúde, juntamente com a Federação Internacional de Diabetes criou o Dia Mundial do Diabetes, escolhendo o dia 14 de novembro, data do aniversário de Frederick Banting, um dos descobridores da insulina.

Em Porto Alegre a data será lembrada no 19 de novembro, com a Corrida para vencer o Diabetes, onde haverá um estande para dúvidas e consultas com endocrinologistas. No dia 26, a partir das 14h o Movimento do Expedicionário, no Parque Farroupilha, será o ponto de encontro para a 2ª Mateada Diabética, onde médicos e pacientes poderão trocar informações e experiências em relação a doença.

A diabetes é uma doença crônica causada pela insuficiência ou ineficácia do corpo na produção de insulina, que é o hormônio controlador da quantidade de glicose no sangue. Além da diabete gestacional, também há o tipo 1, que é a falta de insulina no sangue, mais comum em crianças, e também há o tipo 2, que a resistência a produção de insulina, onde tem como principal agravante o sedentarismo, especial em pessoas acima de 45 anos.

Publicado em Imprensa do HSL