Como a alimentação pode auxiliar no combate ao coronavírus

04/05/2020

Uma dieta equilibrada é uma das bases para uma boa saúde

 O Hospital São Lucas da PUCRS mantém seus esforços direcionados para ações preventivas ao coronavírus (COVID-19) e a disseminação de conhecimento para a população. Individualmente, além de permanecer em casa e reforçar as medidas de higiene, é essencial manter hábitos alimentares saudáveis. Uma dieta adequada reforça o sistema imunológico, responsável por atuar contra a infecção causada pelo coronavírus, dado que ainda não existe vacina ou tratamento que ofereça cura da doença.

A alimentação adequada também previne outros fatores de risco, incluindo aqueles que aumentam as complicações do covid-19, como a obesidade e doenças como hipertensão arterial e diabetes tipo 2. Nessa perspectiva, a Coordenadora de Nutrição Produção do HSL, Luciane Janaína da Silva Carvalho, reforça algumas orientações importantes. Confira:

 

Organização prévia

– Programe suas idas ao supermercado de forma que permita menos saídas, e sempre evite aglomerações. Se possível, faça compras online ou em horários de menor movimento.

– Faça listas, que podem ser divididas em: carnes e/ou ovos, laticínios, cereais, leguminosas, verduras e petiscos.

– Observe sempre a validade dos produtos.

Equilíbrios dos nutrientes

De uma forma geral, devemos incluir em todas as refeições alimentos que contenham: carboidratos; proteínas; vegetais; ovos e laticínios. Quanto aos vegetais, quanto mais colorido melhor. Além disso, a regra de ouro para uma boa alimentação recomendada pelo ministério da saúde pode ser traduzida em “Descasque mais e desembale menos”.

Cereais:  arroz, massa, farináceos (preparações que contenham trigo, milho, farinhas de arroz, aveia, centeio, tapioca…). Prefira os integrais por conterem uma quantidade maior de fibras que auxiliam em menor absorção de colesterol, colaboram no bom funcionamento intestinal e ainda fornecem vitaminas e minerais.

Leguminosas: feijões, lentilha, ervilha seca, grão de bico e soja – fontes de fibras e ricas em minerais como ferro, zinco, cálcio, fósforo, potássio, vitamina do complexo B e ácido fólico.

Vegetais: frutas e verduras da estação, buscando consumi-las cruas e cozidas e sempre trazendo um colorido ao prato que irá garantir todas as vitaminas e minerais necessários.

Laticínios: leite, leite fermentado, iogurtes, nata, requeijão, manteiga e queijos. Garantem a quantidade de cálcio e acrescentam as proteínas necessárias.

Carnes e ovos: carne vermelha, frango, porco e peixe. Especificamente atum, sardinha e salmão são excelentes fontes de ômega 3. Busque variar! Garantem proteínas e minerais. Ovos são uma excelente opção de proteína e ótima fonte de vitaminas B2, B6 e B12, zinco, cálcio, selênio, ferro, fósforo e ácido fólico.

Embutidos: evite, pois nos trazem açúcares e conservantes que não nos acrescentam. São eles: linguiça, presunto (cozido, di parma ou cru), salame, salsicha, peito de peru ou mortadela.

Para os momentos de ansiedade

Sim, eles existem e nos exigem paciência. Também é usual que busquemos “válvulas de escape” e muitas vezes são direcionadas a alimentação. “Podemos consumir aquele chocolate e aquela sobremesa preferida sem culpa, desde que consigamos um equilíbrio nas demais refeições deste dia e que não façam parte da alimentação diária e sim ocasional”, destaca Luciane. Dê preferência ao chocolate amargo que é rico em flavonoides que atuam como antioxidantes.

COMPARTILHAR: