Dia mundial de luta contra o tabaco, fique atento aos cuidados

31/05/2019

Lembrado em 31 de maio, o Dia Mundial Sem Tabaco tem o objetivo de alertar os diversos danos causados aos pulmões pelo tabagismo, seja ele de maneira passiva ou ativa.

Criada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a campanha tem o intuito de destacar os riscos à saúde ligados ao uso do tabaco, possibilitando ações de políticas públicas capazes de reduzir o consumo. O mote escolhido para a ação de 2019, foi a saúde respiratória e saúde cardiovascular.

A utilização do tabaco causa impotência sexual no homem e complicações na gravidez em mulheres.  Além disso, provoca aneurismas arteriais, úlcera do aparelho digestivo, infecções respiratórias, osteoporose, trombose vascular, problemas respiratórios, fadiga e a redução do desempenho esportivo. O consumo ainda causa em torno de 50 tipos de doenças, especialmente, as cardiovasculares (infarto, angina) e respiratórias obstrutivas crônicas (enfisema e bronquite).  Além do câncer de pulmão, estas são as principais doenças causadas pelo cigarro e seus derivados, podendo facilmente levar a óbito. Oito entre dez causas de morte estão relacionadas ao tabagismo, direta ou indiretamente.

José Miguel Chatkin, chefe do serviço de Pneumologia do Hospital São Lucas da PUCRS e presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia destaca que incidência entre os jovens vem crescendo consideravelmente e o alerta para essa população é que não existe nenhuma carga de tabaco que seja isenta ao risco. “Muitos acreditam que fumar somente aos finais de semana não possui o mesmo peso, porém, a principal causa de infarto entre os jovens é exatamente fumar só em festas ou quando bebem, como eles mesmo dizem. Uma população minimamente informada, está ciente que o cigarro faz mal, então, é um vício que deve ser tratado como uma doença, pois existe uma gama de tratamentos para que haja diminuição do consumo”, conclui.

Ainda segundo o especialista, somente entre 3% e 5% das pessoas conseguem largar o cigarro sozinhas, mas, mesmo assim, a chance de recaída é de 90%. Neste caso, o tratamento profissional possui grande relevância. O Hospital São Lucas da PUCRS foi o pioneiro em ambulatórios especializados no Brasil, criado em 1997, atende pacientes do SUS e convênios. Nele são realizadas consultas periódicas, avaliações, Raio X, espirometria e acompanhamento continuo ao paciente.

Ao parar de fumar, a chance do surgimento de doenças diminui significativamente e o organismo se restabelece.

Veja como os riscos reduzem ao longo dos anos:

 

  • 08 horas:  nível de oxigênio no sangue pode chegar aos de um não-fumante;

 

  • 24 horas: os pulmões já conseguem eliminar o muco e os resíduos da fumaça;

 

  • Dois dias depois já é possível sentir melhor o cheiro e gosto. O corpo já não possui mais a nicotina e o indivíduo deixa de transpirar tabaco;

 

  • Após 15 dias, circulação, tosse, congestão nasal, fadiga e falta de ar voltam ao normal;

 

  • Após um ano, o risco de doença cardíaca cai pela metade;

 

  • Em 5 anos sem o consumo, o risco de ter câncer de pulmão também reduz 50%;

 

  • Quando chega aos 15 anos pós consumo, o risco de sofrer infarto será igual ao de uma pessoa que nunca fumou.
COMPARTILHAR:
Publicado em Imprensa do HSL