Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Pesquisar

A memória do Coração

12/03/2018

A memória do Coração

Projeto busca integrar a música no tratamento para Alzheimer

No Brasil, aproximadamente 1,2 milhões de pessoas são diagnosticadas com a Doença de Alzheimer, principal causa de demência. De forma lenta e progressiva, ela destrói funções mentais importantes, como raciocínio, julgamento e memória, levando a perda de autonomia e dependência funcional. Os pacientes costumam ter internações prolongadas e com complicações, especialmente agitação.

Desde maio de 2016, o Hospital São Lucas da PUCRS (HSL) o projeto Música para a Vida. Coordenado pela chefe do Serviço de Geriatria, Maria Cristina Berleze, a iniciativa consiste em resgatar a memória musical dos pacientes com Alzheimer, utilizando a premissa de que a melodia é armazenada em áreas do cérebro bastante primitivas, diferentes daquelas das memórias perdidas. O racional teórico utilizado entende que a canção que fez sentido no passado de uma pessoa, quando ouvida novamente, pode mostrar resultado positivo na agitação e ansiedade e oportunizar melhor qualidade de vida durante a estadia hospitalar.

O projeto busca o atendimento humanizado durante o período de permanência no hospital. “Queremos oferecer a música individualizada como um serviço de beira de leito aos idosos hospitalizados, propiciando uma experiência positiva de cuidado durante a internação. Para os pacientes, redução de delirium e, consequentemente, do tempo de permanência hospitalar; para a equipe assistencial, a quebra de um paradigma, com a música como item de prescrição médica”.

O projeto

A principal característica do projeto Musica para a Vida é a integração dos idosos com déficits cognitivos com a música. A descoberta de que as áreas cerebrais correspondentes à memória musical e a capacidade de sentir emoções são as últimas a serem afetadas por doenças degenerativas, como Alzheimer, modifica a relação de cuidado, ocasionando em respostas positivas ao tratamento. O trabalho inicia com uma seleção de 50 músicas da preferência do paciente, para que sejam proporcionados momentos agradáveis durante a internação. A música é oferecida aos idosos através de dispositivos de mp3 com fones auriculares externos por 30 minutos, duas vezes ao dia.

Resultados

Os resultados promovem a mudança de olhar da equipe assistencial em relação às pessoas com Alzheimer e o entendimento de suas necessidades. A importância destes momentos também está nas relações familiares: a música como elo de conexões afetivas que, por vezes, estão enfraquecidas com o avanço da doença.

Publicado em Institucional