Nova liderança no Serviço de Cirurgia Cardiovascular

18/01/2019

O Hospital São Lucas da PUCRS conta com um novo chefe do Serviço de Cirurgia Cardiovascular. Formado em medicina pela UFRGS, o médico Eduardo Saadi possui mestrado e doutorado pela mesma Universidade, além de pós-doutorado em Cirurgia Cardiovascular realizado no Royal Brompton Hospital (Londres).

Saadi chega ao posto com o objetivo de colaborar com o aperfeiçoamento dos processos da Linha de Cuidados Cardiológicos, liderada pelo cardiologista Paulo Ricardo Caramori. Entre as alterações propostas para garantir mais segurança aos procedimentos está o emprego rotineiro de ecocardiograma transesofágico transoperatório, realizado por uma equipe de anestesistas cardiovasculares. Outra meta é trabalhar de forma ainda mais forte com o tratamento por cateter das doenças cardíacas estruturais, em conjunto com os serviços de Cardiologia, Cardiologia Intervencionista e Imagem. Além do tratamento transcateter da valva aórtica, já bem estabelecido na instituição, será iniciado o tratamento transcateter da valva mitral, em parceria como outros centros de ponta no mundo.

“Hoje, muitas doenças cardiovasculares podem ser tratadas de modo minimamente invasivo, como aneurismas da aorta, doenças das valvas cardíacas e outros defeitos estruturais do coração. Estes procedimentos, além de menos agressivos, em casos selecionados, reduzem a mortalidade e aceleram a recuperação dos pacientes. Para o sucesso deste projeto é fundamental o trabalho em equipe (heart team), que consiste em discussão de casos de modo multidisciplinar e multiprofissional entre cirurgiões cardiovasculares, cardiologistas clínicos, cardiologistas intervencionistas, anestesistas cardiovasculares, especialistas em imagem, enfermeiros, entre outros. Acho que temos um terreno fértil aqui no HSL, tanto do ponto de vista de recursos humanos como de infraestrutura, para a implementação desta tecnologia de ponta. Com esse trabalho, nossa intenção é ajudar a colocar o Serviço como referência nacional e internacional dentro de alguns anos”, explica.

COMPARTILHAR: