Tag: Serviço de Neurologia

23/05/2019

Com uma taxa de prevalência de 15 a 20 casos para cada 100 mil habitantes na região Sudeste brasileira, a esclerose múltipla (EM) causa preocupação por acometer jovens e ser uma causa importante de incapacidade. Por isso, para sensibilizar sobre o tema e o impacto na doença na qualidade de vida dos portadores, em 30 de maio é celebrado o Dia Mundial da Esclerose Múltipla. Para marcar a data, nesse dia, a partir das 17h30, o Instituto do Cérebro organiza uma atividade especial e gratuita sobre o tema. O neurologista Douglas Sato, a neuropsicóloga Luciana Azambuja, o Fisioterapeuta Régis Mestriner e Patrícia Weber, portadora da doença, vão falar sobre os diferentes ângulos desta enfermidade. A ação ocorre no Anfiteatro Ir. José Otão (Av. Ipiranga, 6690 – 2º Andar). As inscrições ocorrem através do e-mail inscer@pucrs.br. Saiba mais sobre o tema A EM é uma doença neurológica em que o sistema imune da própria pessoa ataca a bainha de mielina, um envoltório de proteínas que protege os prolongamentos nervosos localizados no cérebro e na medula espinhal. Ela se manifesta através de surtos, que podem causar alteração de visão; falta de coordenação motora; vertigem; alterações motora, sensitiva e na fala; urgência ou incontinência vesical e/ou fecal, entre outros. A maior parte dos pacientes, cerca de 85%, passa por períodos de surto

15/05/2019
Fundo foto criado por freepik - br.freepik.com

Método traz mais segurança e precisão ao processo realizado em pacientes do SUS e particulares Em abril, o Ambulatório de Neurotoxina do Hospital São Lucas da PUCRS passou a realizar a aplicação da toxina butolínica guiada por ultrassom. Antes, o método empregado era o de Anatomia Palpatória, em que utilizam-se referências anatômicas para fazer essa aplicação. Feito em parceria entre os neurologistas e o Serviço de Radiologia do HSL, a nova iniciativa traz mais segurança e precisão para a administração da substância. “Essa técnica é muito importante para localizar músculos específicos de algumas regiões. Um exemplo é a área do pescoço, onde temos um risco muito grande de causar dificuldade para engolir se não houver exatidão na aplicação. Com o ultrassom, nós temos essa segurança. Além disso, uma das grandes vantagens é conseguir também usar doses menores da toxina, já que temos maior precisão”, explica a neurologista Sheila Trentin. Apesar de ser reconhecida pelo seu uso estético, a toxina botulínica auxilia em diversos outros casos. A substância não permite que o músculo se contraia, causando o relaxamento muscular. Por isso, ela é útil em situações como tremores; distonias, distúrbios que levam a movimentos ou posturas de torção anormais; e espasticidade causada por alguma lesão cerebral, como AVC ou outros traumas cranianos. Além disso, também pode ser utilizada em

25/04/2019

Os chefes dos serviços de Neurologia e Neurocirurgia Hospital São Lucas da PUCRS (HSL), respectivamente, André Palmini e Eliseu Paglioli Neto, são os autores de um dos capítulos do livro Invasive Studies of the Human Epileptic Brain. Os profissionais foram convidados para falar sobre a utilização do eletroencefalograma diretamente no córtex cerebral para determinar a extensão da ressecção do foco epiléptico. A equipe do HSL possui uma das maiores experiências do mundo na utilização desse método. Editada por Samden D. Lhatoo, Philippe Kahane e Hans O. Lüders, a publicação reúne os maiores especialistas em epilepsia do mundo e servirá como referência sobre a localização do foco epiléptico na próxima década.

21/03/2019

Aberta ao púbico, atividade incluirá bate-papo e palestradas ministradas por especialistas do HSL e do InsCer Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 50 milhões de pessoas possuem epilepsia no mundo. De acordo com o órgão, 70% deles conseguiriam viver livres de crises se diagnosticados e tratados adequadamente. Com o objetivo de incentivar o diálogo sobre o tópico e aumentar os níveis de identificação da doença, no dia 26 de março ocorre o Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia. Para marcar a data, no dia 25 de março, o Hospital São Lucas da PUCRS (HSL) e o Instituto do Cérebro (InsCer) promoverão um evento especial aberto para a comunidade. A ação ocorrerá a partir das 10h, no Anfiteatro Ir. José Otão (Av. Ipiranga, 6690 – 2º Andar). A programação incluirá bate-papo e palestras ministradas por especialistas do HSL e do InsCer. As inscrições podem ser feitas através do e-mail flavia.polo@pucrs.br. Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia 10h – 10h30: – Tema: Entendendo o que é a epilepsia – Palestrante: Dr. André Palmini 10h30 – 11h: Tema: Como assumir o controle da minha epilepsia? – Palestrante: Dr. William Alves Martins 11h – 11h30: Tema: Anatomia cerebral na cirurgia da epilepsia – Palestrante: Dr. Thomás Frigeri 11h30 – 12h: Tema: Aspectos emocionais envolvidos na epilepsia – Palestrante: Eduardo Leal Programa de Ciru

24/10/2018

Durante os dias 9 e 10 de novembro de 2018, o Hospital São Lucas será palco da Jornada de Neurologia. O evento ocorrerá no Anfiteatro Ir. José Otão (Av. Ipiranga 6690 – 2º andar), promovendo debates e a troca de experiências com renomados especialistas nas áreas de Neurologia e Psiquiatria. Serão debatidos temas como distúrbios do movimento, demência, depressão, associação entre Epilepsia e TDAH, entre outros assuntos da área. As informações sobre o evento e as inscrições devem ser realizadas pelo site.

21/09/2018
Designed by Freepik

Ainda sem cura, a doença pode ter seus efeitos amenizados quando diagnosticada precocemente. A expectativa de vida aumentou. Pelo menos é o que apontam os dados do Global AgeWatch de 2015, que diz que há mais de 900 milhões de indivíduos no mundo com mais de 60 anos e prevê que, até 2030, a população nessa idade deverá ser de 1 bilhão e 400 mil pessoas. Isso ocasiona um crescimento na incidência e prevalência das doenças ligadas ao envelhecimento. Diante das estatísticas, o neurologista do Hospital São Lucas da PUCRS (HSL) e pesquisador do InsCer Lucas Schilling analisa as condições neurológicas da população idosa. “Observa-se um importante aumento nas condições biológicas chamadas de neurodegenerativas, situação em que ocorre a perda progressiva de neurônios no sistema nervoso” explica. Entre essas condições, é possível identificar quadros que podem causar alterações cognitivas e até mesmo demência, onde há um comprometimento da funcionalidade e autonomia dos idosos. O Alzheimer A doença de Alzheimer é a principal condição neurodegenerativa que incide sobre os idosos, apresentando um grande impacto tanto para o indivíduo que padece desta enfermidade, quanto para a fam