CEO do HSL palestra sobre gestão, tendências e planejamento em comitê de saúde da AMCHAM BRASIL

26/01/2021

O diretor-geral do Hospital São Lucas, Leandro Firme, foi um dos palestrantes do evento online “Gestão de Saúde em 2021: tendências e planejamento”, que foi promovido pela Câmara Americana de Comércio para o Brasil (AMCHAM Brasil) e ocorreu na manhã desta terça-feira, 26. Participaram do encontro representantes de hospitais, centros de saúde e operadoras de todo o país.

Leandro abriu sua apresentação falando sobre o reposicionamento que se iniciou em 2020, que contou e ainda conta com várias ações estratégicas levando o hospital a uma intensa transformação com foco na sustentabilidade. Ele citou o quanto o ano passado ficou na história, chamado de “divisor de águas”, com mudanças que se tornaram perenes na jornada do hospital, agora focado no atendimento ao público adulto e em toda a complexidade desse grupo social. “Esse reposicionamento chegou com a atualidade do mercado. Teremos em poucos anos, no Rio grande do Sul, uma pirâmide etária que será invertida, com mais idosos que crianças e jovens. Por isso, foi necessário se adaptar mesmo em meio à crise”.

Sobre a pandemia, ele destacou o cuidado com as equipes tão necessário neste cenário, marcado por uma doença avassaladora e que precisava de respostas rápidas. Aliado ao bem-estar e à segurança dos colaboradores e corpo clínico, foi preciso pensar em alternativas à suspensão de serviços eletivos, escassez de insumos e, de modo geral, uma expressiva queda de produção eletiva e da receita – em torno de 70% e 30%, respectivamente. “Mesmo assim, sabíamos que este também poderia ser um cenário para oportunidades e que seria – e ainda é – um período de intensos ensinamentos”. Para isso, Leandro afirma que três pontos foram essenciais: cuidar das pessoas, ajustar rotas e mirar no futuro da instituição.

O CEO ainda frisou a participação do Hospital São Lucas nos testes da vacina contra a Covid-19 – com cerca de 1.300 voluntários – e os respiradores e equipamento de ultrassom doados pelo Vaticano em 2020. Em meio à crise, também foi inaugurado um Centro de Tratamento para Doenças Autoimunes, que, em breve, passará por uma ampliação.

Firme trouxe um destaque especial ao acolhimento de colaboradores e corpo clínico, e mencionou como a tecnologia foi fundamental na aproximação virtual com os pacientes. “Uma delas foi a teleconsulta, com cuidados a pacientes de forma remota”. Além disso, citou o projeto Conta Comigo, com suporte psicológico e psiquiátrico e homenagens aos colaboradores. “Foi um tempo marcado por protagonismo, coragem e colaboração”.

Tendências para o presente e o futuro

A respeito das tendências para este ano e os próximos, Leandro falou sobre uma gestão descomplicada, com foco no essencial. “As mudanças continuam acontecendo, ainda vivemos na incerteza, e enquanto gestores é preciso termos uma adaptação muita rápida. Temos que ter agilidade nas respostas neste ambiente”. Sobre a inovação, ele reforçou o quanto a transformação digital é consolidada e está aí para somar. “A pandemia acelerou o histórico de adaptação humana a mudanças e isso se evidenciou na transformação digital”.

Para ele, inovar não necessariamente é investir em novos recursos, mas, sim, otimizar e potencializar os já existentes. “É preciso desafiar o estabelecido, trazendo essa inovação para dentro do hospital, respeitando a tradição e as interações cada vez mais forte entre todos os participantes”. Firme ainda reiterou a importância do ecossistema de saúde se inovar. “É necessário, sim, ter diálogos difíceis, maior transparência, maturidade nas relações e maior confiança entre os players. Um dos exemplos está no modelo de remuneração atual, dando protagonismo a uma gestão eficiente dos custos e valor agregado em saúde”.

Sobre a liderança, o diretor evidenciou a conexão com o time e a autenticidade com as equipes. “Precisamos pensar em diálogos eficientes, com menos reuniões, mais atitudes e mais espaço para opiniões. Além disso, é necessário empoderar e liderar pelo exemplo”. Leandro finalizou a palestra falando sobre os times de alta performance, as oficinas para projetos inovadores, benchmarking constante e maior conexão com as pessoas. “Para mim, a tendência de conectar times abre para as soluções que vêm da base, e isso é fundamental”.

Também foi palestrante a CEO do Grupo Sabin, Lidia Abdalla.

COMPARTILHAR: